quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

3 974 - O adeus a Luísa Maria, há 43 anos! Furriéis no RC4!

A CCS voltou ao RC4 no dia 3 de Junho de 2017, 43 anos depois da mobi-
lização e apresentação nas respectivas Companhias do BCAV. 8423 e de 
aqui se prepararem para a jornada africana de Angola
Os furriéis milicianos Neto, Viegas, Matos e Monteiro
no RC4, há precisamente 43 anos, quando se preparava
a jornada africana do Uíge angolano


A Ordem de Serviço nº. 291, de 13 de Dezembro de 1973, do Regimento de Cavalaria nº. 4 (RC4), deu conta da «no-
meação para servir na Região Militar de Angola, com destino ao BCAV. 8423/73» de um alargado de futuros furriéis mili-
cianos dos Cavaleiros do Norte.
A maioria estava ainda em outras uni-
dades, aguardando mobilização, regis-
Os furriéis milicianos Américo Rodrigues, Eusébio Mar-
tins, Jorge Barata e Plácido Queirós, da 1ª. CCAV.
8423, a da Fazenda Zalala
tando-se a sua apresentação em Santa Margarida em diferentes datas.
Lamego e o Centro de Instrução de Ope-
rações Especiais (CIOE) foram origem de 4 deles: os Operações Especiais (Ran-
gers) Monteiro, Viegas e Neto, que se apresentaram a 24 de Dezembro desse ano (1973) e o Transmissões António Rebelo.
Os três primeiros - Monteiro, Viegas e Neto - seriam destinados à CCS, a companhia do Quitexe; o TRMS Rebelo, à 2ª. CCAV. 8423, a de Aldeia Viçosa. E, antes da apresentação no RC4, rodou ainda pelo Batalhão de Cavalaria 5 (BC5), em Aveiro - onde se apresentou a 10 de Dezembro de 1973.
Os outros futuros  furriéis milicianos «nomeados para servir na  na Região Militar de Angola, com destino ao BCAV. 8423/73/RC4» foram os seguintes, companhia por companhia:
Furriéis do Quitexe: Cruz, Cândido Pires,
Mosteias, Neto, José Pires e Rocha

CCS, a Companhia
do Quitexe!

- António Maria Verdelho da Silva Lopes, enfermeiro, de Vendas Novas.
- José dos Santos Pires, transmissões, de Bragança.
- Nelson dos Remédios da Silva Rocha, transmissões, de Vila Nova de Gaia.
- Francisco José Brogueira Dias, vagomestre, do Porto.
- Joaquim Augusto Loio Farinhas, sapadores, de Amarante. Falecido a 14 de Julho de 2005, de doença e em Amarante.
- Cândido Eduardo Lopes Pires, sapadores, do Montijo e agora em Niza.
- Luís João Ramalho Mosteias, sapadores, da Amadora. Falecido a 5 de Fevereiro de 2013, de doença, em Santo André.
- António José Dias Cruz, rádio-montador, de Cardigos e morador em Lisboa, agora na Póvoa de Santo Adrião.
- Francisco Manuel Gonçalves Bento, reconhecimento e operações, do Barreiro. Agora, em residente França.
- José Carlos Pereira da Fonseca, amanuense, de Lisboa.
Furriéis milicianos José Louro, Américo Rodrigues, 
José Nascimento, Jorge Barata (falecido a 11/10/1997) 
e Jorge Barreto, com os alferes Mário Jorge 
Sousa e Lains dos Santos

1ª. CCAV, 8423, a
da Fazenda Zalala!

- José António Moreira do Nascimento, vagomestre, do Porto. Ausente nos Estados Unidos.
- Jorge Manuel Mesquita Barreto, enfermeiro, de Mira, agora em Baguim do Monte (Gondomar).
- João Custódio Dias, transmissões, de (Vila Nova de) Ourém, agora em Tomar.
- Manuel Moreira Pinto, Operações Especiais (Rangers), de Penafiel e morador em Paredes.
- Fernando Manuel Mota Viana, atirador de Cavalaria, de Braga.
- Francisco J. C. Silva, desconhecido. Não incorporou o BCAV. 8423.
- José dos Santos Louro, atirador de Cavalaria, de Évora.
- Américo Joaquim da Silva Rodrigues, atirador de Cavalaria, de Vila Nova de Famalicão.
- João Manuel Baldy Belém Pereira, atirador de Cavalaria, de Lisboa.
- Eusébio Manuel Martins, atirador de Cavalaria, de Belmonte. Falecido a 16 de Abril de 2014, de doença e em Belmonte.
-Victor Moreira Gomes da Costa, atirador de Cavalaria, de Queluz.  
- João Matias Matias Aldeagas, atirador de Cavalaria, de Estremoz.
- Jorge António Eanes Barata, atirador de Cavalaria, de Alcains. Faleceu a 11 de Outubro de 1997, de doença e em Alcains.
- Plácido Jorge de Oliveira Guimarães Queirós, atirador de Cavalaria, de Braga.
Furriéis milicianos de Aldeia Viçosa: Letras,
Costa, Guedes e Gomes

2ª. CCAV. 8423, a
de Aldeia Viçosa!

- Abel Maria Ribeiro Mourato, vagomes-tre, de Portalegre, agora em Vila Viçosa.
- António Augusto Faria Novais Rebelo, transmissões, de Guimarães.
- Jaime J. V. Silvério, desconhecido. Não integrou a 2ª. CCAV. 8423.
- António Carlos Dias Letras, Operações Especiais (Rangers), de Setúbal, agora em Palmela.
- José Maria Freitas Ferreira, atirador de Cavalaria, de Guimarães.
- José da Silva Gomes, atirador de Cavalaria, de Braga.
- José Manuel Cerqueira da Costa, atirador de Cavalaria, de Matosinhos.
- Mário Augusto da Silva Matos, atirador de Cavalaria, de Anadia.
- António de Oliveira Cruz, atirador de Cavalaria, de Vieira do Minho.
- António Artur César Monteiro Guedes, atirador de Cavalaria, do Peso da Régua, agora em Salvaterra de Magos.
- José Fernando Noro Dias de Melo, atirador de Cavalaria, agora em Leiria.
- João António Piteira Brejo, atirador de Cavalaria, de Montemor-o-Novo.
- António Milheiros Courinha Chitas, atirador de Cavalaria, de Mora.
Furriéis milicianos da Fazenda Santa Isabel: Belo,
Rabiço, Querido, Guedes e Fernandes

3ª. CCAV. 8423. a
de Santa Isabel!

- Agostinho Pires Belo, vagomes-
tre, do Retaxo, em Alcains.
- Ângelo Tuna Rabiço, enfermeiro, de Vila Real, agora em Guimarães.
- João Augusto Martins Cardoso, trans-missões, de Arganil, agora em Coimbra.
- António Pires Flora, atirador de Cavalaria, de Alcains, agora em Odivelas,
- José Adelino Borges Querido, atirador de Cavalaria, de Lisboa e agora em Loures.
- Graciano Correia da Silva, atirador de Cavalaria, de Lamego.
- José Fernando  das Costa Carvalho, atirador de Cavalaria, do Entroncamento.
- Alcides dos Santos da Fonseca Ricardo, atirador de Cavalaria, natural do município da Meda e agora residente em Loures.
- Belmiro da Silva Ribeiro, atirador de Cavalaria, de Vila Real.
- António Luís Barradas Mendes Gordo, atirador de Cavalaria, de Alter do Chão.
- José Avelino Grenha Lopes, atirador de Cavalaria, de Barcelos e agora em Lisboa.
- António da Costa Fernandes, atirador de Cavalaria, de Braga.
- Victor Mateus Ribeiro Guedes, armamento pesado, de Lisboa, Faleceu a 16 de Abril de 1998, em Sintra.
Cavaleiros do Norte do PELREC na Fazenda Luísa Maria:
1º. cabo Hipólito e furriel Viegas (atrás), Caixarias,
Florêncio e Marcos, em Julho de 1974

O último dia de
Luísa Maria !

A última guarnição militar portuguesa abandonou o Destacamento da Fazenda Luísa Maria saiu de lá a 14 de Dezembro de 1974. Hoje se fazem 43 anos!
O «abandono» aconteceu no âmbito do programa de «mutação de dispositivo militar», no decorrer do processo de
Eduardo Bento
descolonização então em curso. Destacamento que, lê-se no livro «História da Unidade», «nesta data foi extinto».
A fazenda era de um empresário chamado Patrocínio - que lá teve o irmão Abílio como gerente. No nosso tempo, o gerente era Eduardo Bento da Silva (na foto) - que faleceu a 11 de Setembro de 2011 e faria 81 anos a 10 de Outubro seguinte. Tinha um mini-mercado em Taveiro e morava em Condeixa-a-Nova. Também lá conhecemos o sr. Craveiro, que era encarregado da fazenda e só de lá saiu na altura da independência e foi morar para Maçãs de D. Maria, em Alvaiaázere.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

3 973 - Cimeira angolana adiada, mais Cavaleiros do Norte no RC4!

A Fazenda Santa Isabel, onde se aquartelou a 3ª. CCAV. 8423, entre 11 de Ju-
nho e 10 de Dezembro de 1974. Na imagem, o 1º. cabo Manuel Quaresma
 da Silva, apontador de morteiros, que faleceu a 13 de 2004, de doença
no estômago e em Cacia (Aveiro)


Furriéis Floro, Belo, Fernandes e Ricardo

Aos 13 dias de Dezembro de 1974, uma sexta-feira, soube-se pelas bandas do Quitexe que, afinal, a Cimeira entre os 3 movimentos de libertação e representantes do Governo Português «não se realizará antes do Natal, como Portugal teria proposto».
Um dos movimentos (não sabemos qual deles) pedira o adiamento pelo que, segundo uma 
Notícia do Diário de Lisboa
sobre a Cimeira de Angola
notícia do Diário de Lisboa, seria «mais próximo do fim do ano, ou mesmo em Janeiro».
Os Açores, em ilha não indicada, continuavam como local da Cimeira que, entre outras questões, iria definir «a criação de um Governo Transitório de coligação, integração das forças armadas de libertação num só exército e marcação da data de independência do Estado de Angola».
Sabemos hoje que acabou por se realizar no Alvor, no Algarve, iniciando-se a 10 de Janeiro de 1975.
Furriéis Matos, Guedes e Melo (em cima),
Letras, Gomes e Cruz, da 2ª. CCAV. 8423

Cavaleiros do Norte
em Santa Margarida

A 11 de Dezembro de 1973, apresentaram-se no RC4, em Santa Margarida, outros futuros Cavaleiros do Norte do BCAV. 8423, todos furriéis atiradores de Cavalaria e rodando do Regimento de Cavalaria 6 (RC6), de Braga, e «por terem sido nomeados para servir no ultramar».
- 1ª. CCAV. 8423, a da Fazenda de Zalala: João Manuel Belém Baldy Pereira e Fernando Manuel Mota Viana.
- 2ª. CCAV. 8423, a de Aldeia Viçosa: José Maria Freitas Ferreira, José Manuel Cerqueira da Costa, José da Silva Gomes, António Oliveira Cruz e Mário Augusto da Silva Matos.
- 3ª. CCAV. 8423, a da Fazenda de Santa Isabel: Belmiro da Silva Ribeiro, Alcides da Silva da Fonseca Ricardo, José Fernando da Costa Carvalho e Graciano Correia da Silva. 
Manuel Quaresma da
Silva da 3ª. CCAV. 8423

Quaresma, 1º. cabo de Santa 
Isabel, faria 65 anos !

O 1º. cabo Quaresma, apontador de morteiros da 3ª. Companhia do BCAV. 8423, a de Santa Isabel, faria hoje 65 anos. Faleceu a 6 de Abril de 2004, em Cacia (Aveiro).
Manuel Quaresma da Silva partiu para Angola a 5 de Junho de 1974 e de lá regressou a 11 de Setembro de 1975, voltando a sua terra natal. Foi mais um Cavaleiro de Norte que resistiu à guerra e dela regressou são e salvo, mas foi impotente para a doença no estômago que lhe minou o corpo. Faleceu com 52 anos, deixando viúva e filhos.
Quase vizinho, não o conheci nem dele soube nos 15 meses que comungámos em Angola. Antes e depois do serviço militar, morámos em localidades separadas por menos de 20 quilómetros, mas nunca os nossos destinos se cruzaram. Um dia nos encontraremos. Até lá! RIP!!!

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

3 972 - Cimeira dos movimentos angolanos, o primeiro Natal angolano...

O 1º. cabo Emanuel Santos (emigrado nos Estados Unidos e que hoje faz 65
anos), o 1º. sargento João Barata e o alferes miliciano António Manuel Gar-
cia (falecido a 02/1171979, deacidente e entre Viseu e  Mangualde,  ao serviço
da PJ). Aqui, frente ao edifício do Comando do BCAV. 8423, no Quitexe

Cavaleiros do Norte de Zalala. De pé e à direita, Carlos
Alberto da Costa  Santos, o Plateias, que foi atirador de
Cavalaria e faleceu a 12 de Dezembro de 2015. RIP!

Os dias de Dezembro iam-se passando, há 43 anos, expectando-se sobre o Natal que estava em véspera e, para os Cavaleiros do Norte, seria uma novidade muito especial: o primeiro fora de casa, o primeiro (e único, como viria a ser) em terras de África. No calor, longe do frio dos nossos invernos.
A 12 de Dezembro de 1974, soube-se no Quitexe, e pela imprensa, que estava iminente a cimeira entre os três movi-
mentos de libertação - MPLA, FNLA e
O furriel Viegas, no restaurante Rocha, ladeado pelos 1ºs.
cabos Pais (à esquerda) e Emanuel, que hoje faz 65
anos, nos Estados Unidos (em South River)
UNITA. Nos  Açores e antes do Natal.
«(...) se aqueles movimentos emancipalistas derem o seu acordo à proposta portuguesa», reportava o Diário de Lisboa desse dia, acrescentando, todavia, que «a constituição de um Governo de Transição, até à independência de Angola, prevista para o final do próximo ano, apresenta certas dificuldades, nomeadamente quando à forma de fusão das forças combatentes
Emanuel M. Santos,
1º. cabo do BCAV. 8423 
dos 3 movimentos num único Exército».

1º. cabo Emanuel, 65
anos na América !

O 1º. cabo Emanuel, da CCS dos Cavaleiros do Norte, está em festa de 65 anos, que, a 12 de Dezembro de 2017, assinala nos Estados Unidos.
Emanuel Miranda dos Santos foi 1º. cabo escriturário do BCAV. 8423, trabalhando no edifício do Comando. Natural da Gafanha do Carmo, em Vagos, lá regressou a 8 de Setembro de 1975. Logo emigrou para a Venezuela e, mais tarde, para os Estados Unidos - para South River, onde é empresário da construção e dos transportes pesados.
O Emanuel era um dos homens do Quitexe mais próximo de mim: discreto, efi-
ciente, diplomata, bom companheiro, tinha o dom de saber ouvir e de ter sem-
pre um sorriso para sossegar qualquer constrangimento.As conversas com ele, num dos vários bares do Quitexe, eram intermináveis: sabiam à maresia da Bar-ra e da Ria, tinham os cheiros das nossas terras (bem próximas), falava-se de Aveiro, dos ovos moles e do Tico-Tico, do Beira Mar e de Vale Guimarães - que, como Governador Civil de Aveiro, autorizara o 2º. Congresso Republicano (a 16, 16 e 17 de Maio de 1969) e depois o terceiro, em Abril de 1973.
Falar de Aveiro e de Águeda, pelo Quitexe, era um bálsamo tranquilizador e o Emanuel fazia parte dessa «receita». Bom militar, foi louvado pelo comando do BCAV. 8423, que lhe exaltou «a maior dedicação pelo serviço, sempre pronto a cumprir quisquer tarefas». Parabéns!

Carlos AC Santos,
o Plateias de Zalala
Costa, o Plateias, 
faria hoje 65 anos!

O soldado Plateias, atirador de Cavalaria da 1ª. CCAV. 8423, faria hoje 65 anos. Faleceu a 22 de Dezembro de 2015.
Carlos Alberto da Costa Santos era o seu nome de baptismo, mas imortalizou-se como Plateias, entre os Cavaleiros do Norte da mítica fazenda de Zalala. Regressou a Portugal, no final da comissão angolana, a 9 de Setembro de 1975 e ao lugar de Pisões, da freguesia de Pataias, no município de  Alcobaça - onde nasceu e fez toda a sua vida. Mais não sabemos dele e recordamos este companheiro com saudade. RIP!!!


segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

3 971 - Contra-subversão no Quitexe e mais 5 furriéis em Santa Margarida

Cavaleiros do Norte num jardim de Carmona, em 1975, todos milicianos: fur-
riel Nelson Rocha, alferes Pedrosa de Oliveira e furriéis João Machado, José
Lino e António Cruz. Machado e Cruz apresentaram-se no RC4 a 11 de De-
zembro de 1973, com os também furriéis José Louro, João Dias e
Eusébio Martins (os 3 da 1ª. CCAV., a de Zalala)


Furriéis milicianos de Zalala: Eusébio, Queirós e Costa
 (de pé), Rodrigues, Louro, Barata (falecido a 11/10/1997, de
 doença e em Alcains) e M. Dias, mecânico (falecido
 a 20/10/2011, de doença e em Lisboa

A Comissão Local de Contra-Subversão (CLCS) do Quitexe foi reestruturada a 11 de Dezembro de 1974 e passou a ter no-
va designação: Comissão de Coordena-
ção Civil-Militar (CCCM).
«O clima de paz que se procura e a ace-
leração do processo de descolonização que se vive, impondo uma mudança ra-
dical dos hábitos dos longos anos de guerra», foram, de acordo com a «Histó-
ria da Unidade», as razões que levaram à reestruturação das CLCS, «agora sem
João C. Dias
razão de ser». Todavia, «dada a necessidade de estreitamen-
to das relações civil-militar e outra feição da actuação» foram recria-das em CCCM. No caso do Quitexe, «com consequên-
cias a partir de 11 de Dezembro» de 1974. Há 43 anos!

Cavaleiros com mais
5 furriéis no RC4

A 11 de Dezembro de 1973, apresentaram.se no RC4, em Santa Margarida, 5 novos futuros furriéis milicianos (então 1º.s cabos milicianos), «por terem sido nomeados para servir no ultramar» e no BCAV. 8423: Eusébio, Louro, Cruz, Machado e Dias. Todos adiram à Companhia de Formação.
1 - António José Dias Cruz era rádio-montador, natural de Cardigos e ao tempo morador em Lisboa. Rodou da Escola Prática de Transmissões, em Paço de Arcos. Destinado à CCS, regressou a Portugal a 8 de Setembro e é aposentado da Câmara Municipal de Lisboa, morando na Póvoa de Santo Adrião.
2 - Manuel Afonso Machado foi  mecânico de armamento e rodava do RI7, em Leiria. Natural de Covelo do Gerez, em Montalegre, é quadro superior da EDP e mora em Braga. Integrou a CCS e regressou a Portugal no dia 8 de Setembro de 1975.
3 - João Custódio Dias foi de transmissões da 1ª. CCAV. 8423, a de Zalala, e rodava do RI7, em Leiria. Regressou a Portugal a 9 de Setembro de 1974, a Vila Nova de Ourém. Aposentado da Policia Judiciária, reside em Tomar.
4 - Eusébio Manuel Martins foi atirador de Cavalaria da 1ª. CCAV. 8423, rodou do RC8, em Castelo Branco, e regressou a Belmonte, a sua terra natal,  a 9 de Setembro de 1975. Funcionário público, faleceu a 16 de Abril de 2014, de doença e em Belmonte. 
5 - José dos Santos Louro foi atirador de Cavalaria e rodou do RC8, de Castelo Branco, para a 1ª. CCAV. 8423, a de Zalala. Regressou a Portugal no dia 9 de Setembro de 1975 e a Évora, sua terra natal e de residência. Já aposentado, fez carreira profissional administrativo da Universidade de Évora.


Costa de Zalala
faria 65 anos!

O soldado Costa, da 1ª. CCAV. 8423, a de Zalala, faleceu a 11 de Dezembro de 2009 - hoje se passam 8 anos!
José Maria Soares da Costa foi atirador de Cavalaria e serviu os Cavaleiros do Norte em Zalala, Vista Alegre e Carmona. Regressou a Portugal a 9 de Setembro de 1975, ao lugar de Bondes, da freguesia de Duas Igrejas, concelho de Vila Verde - onde nascera a 2 de Abril de 1952. Fez carreira profissional na GNR e prestava serviço no Posto de Freixo, em Ponte de Lima, na data da sua morte. RIP!

domingo, 10 de dezembro de 2017

3 970 - O último dia da 3ª. CCAV. 8423 na Fazenda Santa Isabel

A chegada da 3ª. CCAV. 8423 à Fazenda Santa Isabel, a 11 de Junho de 1974.
Os Cavaleiros do Norte comandados pelo capitão miliciano José Paulo Fer-
nandes saíram de lá a 10 de Dezembro desse ano, rodando para o Quitexe

O capitão miliciano José Paulo Fernandes, comandante da
3ª. CCAV. 8423, a de Santa Isabel, com o 1º. sargento
Francisco  Marchã (à direita)

A 10 de Dezembro de 1974, hoje se pas-
sam 43 anos, concluiu-se a rotação da 1ª. CCAV. 8423, «abandonando-se a Fa-zenda Santa Isabel» - que desde 1961 tinha sido «ocupada» pela tropa portu-
guesa. Havia 13 anos!
Os preparativos para «o seu movimento para o Quitexe» tinham começado já em Novembro e o comandante era o ca-
pitão miliciano José Paulo Fernan-des, que há 2 anos nos recordou esse histórico dia: «Saí na última
João Pereira de Albuquerque e a esposa. Foi o
fundador, em 1934,  da Fazenda Santa Isabel.
Nascido em 1900, teria agora 117 anos!
leva, numa coluna com pelo menos dois dos nossos pelotões, talvez três..., a fazerem segurança aos homens dos serviços, os mecânico, os de transmissões, de enfermagem e cozinha, toda a gente não operacional».
Os trabalhadores rurais da fazenda ficaram lá, moravam numa sanzala. Também ficou Luís Pires de Carvalho, que era o administrador, assessorado por 10 europeus brancos.
«Soube mais tarde que pouco tempo por lá ficaram, pois acabaram por ir para Luanda, via Estrada do Café», recordou o capitão José Paulo Fernandes, citando uma informação que «pouco depois chegou ao Quitexe».
Mapa do norte de Angola, com povoações (em
destaque) ligadas ao Batalhão de Cavalaria 8423

A Fazenda
Santa Isabel


A Fazenda Santa Isabel tinha sido 
criada em 1934, por João Pereira de Albuquerque, natural de Cabaços, em Moimenta da Beira - que para 
Luís P. Carvalho, últi-
mo gerente de Santa Isabel
Angola foi em 1920. Trabalhou por conta de ou-
trém, mas em 1928 já tinha fundado a povoação de Cambamba e lá instalou a sua casa comercial. Descoberto o paraíso das terras de Santa Isabel, fundou a fazenda em 1934. 
Teve três filhos: o dr. Luís Pereira de Albuquerque (que desempenhou vários cargos oficiais em Angola), Maria Isabel e Maria Alice - que, respectivamente, casaram com José Tavares de Almeida e Luís Pires de Carvalho, que eram sócios gerentes da Fazenda (o primeiro da parte comercial, o segundo da agrícola). Tinham apoio de 10 empregados europeus, alguns deles lá tendo a família, e mais de 500 trabalhadores angolanos. 
A Fazenda Santa Isabel tinha aproximadamente 3 500 hectares e produzia, nos anos 70 do século XX, mais de 400 toneladas de café e comercializava entre 2500 a 3000 (comprando-o a outros produtores da região). Tinha escritório e armazém de retém e beneficiamento do café na Rua Francisco Newton, em Luanda.A 15 de Março de 1961, a fazenda foi também alvo de ataques dos homens da UPA (FNLA) e, segundo uma publicação de época, «ninguém escapou», entre homens, mulheres e crianças.  

sábado, 9 de dezembro de 2017

3 969 - Véspera do adeus a Santa Isabel e a morte do 1º. sargento Luzia!

Cavaleiros do Norte da CCS do BCAV. 8423 no Bar de Sargentos do Quitexe:
o 1º. sargento José Claudino Fernandes Luzia, que faleceu a 2 de Abril de 2017, 
  aqui ladeado pelos furriéis milicianos Monteiro (à esquerda) e Viegas

Os furriéis milicianos Morais (mecânico) e Lopes (enfer-
meiro), ambos da CCS dos Cavaleiros do Norte e aqui
no Quitexe. Atrás, vêem-se a messe e bar de sargentos

A 9 de Dezembro de 1974, os últimos Cavaleiros do Norte da 3ª. CCAV. 8423 fechavam as malas para o derradeiro adeus à Fazenda Santa Isabel. No dia seguinte, rodariam para o Quitexe - onde já estava parte da Companhia.

O dia foi assinalado por uma nova reu-
nião do Comando do Sector do Uíge (o CSU), em Carmona e no BC12, partici-
pada pelo capitão José Paulo Falcão. Preparavam-se, a esse tempo, novas rotações das unida-des militares aquarteladas no distrito/província do Uíge angolano e, noutros casos, o abandono de instalações.
O MPLA, em Luanda, ultimava para o dia seguinte as comemorações do seu 18º. aniversário e a situação calma. O movimento liderado pelo médico Agostinho Neto resultara da fusão do Partido Comunista de Angola e do Partido da Luta Unida dos Africanos de Angola (PLUA) com outros movimentos nacionalistas surgidas na década de 50 do século XX.
O furriel Lopes, enfermeiro, com a família
no encontro de 2009, em Águeda


Apresentação do furriel
enfermeiro A. Lopes


O então 1º. cabo miliciano e futuro furriel mili-
ciano enfermeiro Lopes apresentou-se no RC4 a 9 de Dezembro de 1973, segundo a Ordem de Serviço nº. 295, do dia seguinte.
António Maria Verdelho da Silva Lopes rodou do Regimento de Infantaria nº. 16, de Évora, há 44 anos, «por ter sido nomeado para servir no ultramar». Ficou colocado no Esquadrão de Formação do Regi-
mento de Cavalaria 4 - pois, ao tempo, o BCAV. 8423 ainda não estava formal-
mente constituído. O seu destino seria (e foi) a CCS.
Foi um dos bons e inesquecíveis companheiros da jornada africana do Uíge angolano, com amizade que ainda hoje, e fortemente, viaja descontraída, assumida e serenamente nas nossas memórias.
O 1º. sargento José Luzia em
1995, no encontro de Águeda


Luzia, 1º. sargento,
faria 84 anos mas faleceu
em Abril na Amadora


O 1º. sargento Luzia foi responsável pela secretaria da CCS do BCAV. 8423 e amanhã, dia 10 de Dezembro, feste-
jaria 84 anos. Faleceu a 2 de Abril de 2017, na Reboleira, Amadora.
«O meu último serviço foi em 1987, em Lanceiros, na Polícia Militar, depois reformei-me», disse-nos há 5 anos, lembrando que antes de Lanceiros e da PM e então como sargento-chefe, esteve na guarnição de Braga.
Disse-se bem com a vida. «Não tive tudo o que quis, mas fiz muitas coisas que  gostei de fazer», comentou na nossa conversa de há 5 anos e que, religiosa-
mente, temos continuado, desde então. Há um ano, «apanhámo-lo» no hospital, onde estava internado para tratamentos de circunstância e sempre bem disposto!
A doença «levou-o» a 2 de Abril de 2017. RIP!!!

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

3 968 - Cavaleiros do Norte de Zalala no almoço de Natal 2017

Cavaleiros do Norte da 1ª. CCAV. 8423, a de Zalala, no almoço de Natal de 2016.
 De pé, Neves (Bolinhas), Pimenta, Horácio Carneiro, Casimiro, Agra (Famalicão),
Alves (Pig-Bó), Carvalho, João Dias (furriel), Castro Dias (capitão), Leirinha, Al-
fredo Coelho (Buraquinho, da CCS), Pinto, Celestino (CCS) e Maia (padeiro). Em
 baixo, Leal,  Rodrigues (furriel), Vilaça,  Mota Viana, Queirós, Barreto (furriéis),
Barroso e Silva (Ciclista)


Cavaleiros do Norte a consoar no «Assador Típico»,
  no Porto, a 17 de Dezembro de 2016. Quantas histó-
rias e quantas emoções foram recordadas!!!

Os Cavaleiros do Norte da 1ª. CCAV. 8423, a da mítica Fazenda de Zalala, vão reunir-se em almoço de Natal, marcado para 16 de Dezembro de 2017. No Assa-
dor Típico, no Porto.
A iniciativa já tem alguns anos, a cada edição aumentando o número de parti-
cipantes. Há um ano, foi uma vintena que se juntou para, em ambiente festivo, saborearem os prazeres da ementa e recordarem momentos e memórias da jornada que os levou a África e ao Uíge angolano. 
Natal dos Zalala´s de 1974 em Vista Alegre. Reconhecem-se
os furriéis Queirós (terceiro, à esquerda) e Eusébio (primeiro
da direita). Quem identifica os outros?
O mesmo se repetirá este ano, segura-mente! Outra coisa não poderá ser!


Natal de 1974
em Vista Alegre

Há 43 anos, a consoada dos Cavaleiros do Norte de Zalala foi no refeitório do quartel de Vista Alegre, em Angola, com ementa de bacalhau e entradas de rissóis e chouriço assado, carapauzinhos com arroz de tomate e posta laminada, ra-
banadas e leite creme, vinhos verdes e maduros, com café. Tudo «argamas-
sado» em boa conversa e um mar de contagiante alegria e... saudades!
Novidade no convívio dos «zalala´s», em 2016, foi a participação, em estreia, dos enfermeiros António Augusto Alves da Silva, o Pig-Bó, e José Manuel do Carmo Leal, para além do condutor Joaquim Carlos da Costa Silva, o Ciclista. Ciclista porque, imaginem, disputou, entre outras provas, 4 Voltas a Portugal.
Outra curiosidade foi o facto de se terem juntado todos os enfermeiros da 1ª. CCAV. 8423: o furriel Barreto e os 1ºs. cabos Leal, Silva (Pig-Bó), Carvalho e Cunha (que não está a foto). 
Os interessados em participar no encontro de 16 de Dezembro de 2017 devem contactar o (ex-furriel) Américo Rodrigues, pelo telefone 933962492.
Os furriéis milicianos Viegas e Cruz, em 1974
e frente à Casa do Furriéis e Messe de Oficiais
do Quitexe, na avenida da vila

Cavaleiros do Norte
há... 43 anos!

Há 43 anos, pelas bandas angolanas de Carmo-
na e a 7 de Dezembro, ocorreu mais uma reu-
nião do Comando de Sector do Uíge (CSU).
O BCAV. 8423 fez-se representar pelo capitão José Paulo Falcão e, ao mesmo tempo, reali-
zou-se uma reunião dos eleitos da Comissão do MFA do Sector - também com representação dos Cavaleiros do Norte.
O oficial foi, se bem me lembro, o alferes miliciano António Garcia (de Opera-
ções Especiais, os Rangers). Quanto a furriéis milicianos, estiveram o Cruz (rádio-montador) e o Viegas (Rangers). Curiosamente, e respectivamente, o mais velho e o mais novo dos furriéis da CCS do BCAV. 8423.


Cavaleiros de Aldeia Viçosa,  identificados nos balões. À 
direita e de viola, o 1º. cabo José Maria Beato, que 
amanhã festeja 65 anos em Valongo (Porto)

Beato, d´Aldeia Viçosa,
65 anos em Valongo !


O 1º. cabo Beato, dos Cavaleiros do Norte da 2ª. CCAV. 8423, festeja 65 anos a 9 de Dezembro de 2017.
José Maria Pedrosa de Pinho Beato  foi radio-telegrafista da Companhia de Aldeia Viçosa e regressou a Portugal no dia 10 de Setembro de 1975. Ao Porto e
à Cedofeita, onde residia antes da mobilização para Angola.
A vida levou-o para a cidade de Valongo, onde agora goza os pra-zeres da reforma, depois de uma vida profissionalmente intensa. É coordenador efectivo dos encontros dos Cavaleiros do Norte de Aldeia Viçosa e atento e prestabilíssimo colaborador do blog. Obrigado e um fraternal e grande e forte abraço de parabéns, embrulhado no desejo de a data se repetir por muitos e bons anos!

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

3 967 - Mobilização para Angola dos furriéis «Rangers» Monteiro, Viegas e Neto

Os então futuros furriéis milicianos Monteiro, Viegas e Neto souberam da
sua mobilização pelo BCAV. 8423 e para Angola a 7 de Dezembro de
1973. Há precisamente 44 anos! O tempo «voou»... Parece que foi ontem!
A Estação dos Correios de Lamego, de onde, há precisa-
mente 44 anos, o furriel Viegas deu notícia à família mais
próxima da sua mobilização para Angola. Foto de 2016

Há 44 anos, precisamente... - no dia 7 de Dezembro de 1973, uma sexta-feira... -, os futuros furriéis milicianos José Mon-teiro, Viegas e Francisco Neto, dos Ca-valeiros do Norte, souberam da sua mobilização para Angola.
Ao tempo, estavam os três no Centro
Ordem de Serviço do CIOE, de 7 de Dezembro de 1973,
com a mobilização dos furriéis Monteiro, Viegas e Neto
de Instrução de Operações Especiais (CIOE), em Lamego, onde, em Setembro anterior, tinham acabado o curso de Rangers  - iniciado em Julho anterior.
A nota mobilizadora tinha o nº. 47000-Pº. 33.007, da RSP/DSP/ME, de 17 de Novem-bro de 1973, e foi reproduzida na referida Ordem de Serviço nº. 286 do CIOE.
Ser mobilizado para Angola era, entre as saídas que se nos deparavam na guerra colonial, a melhor sorte que nos podia caber, comparadas com Moçambique ou, pior ainda, com a Guiné-Bissau - teatros de guerra que, reconhecidamente, eram bem mais graves e perigosos. Para mim, melhor ainda: por lá, por Angola, tinha bastantes amigos civis e família.

Mobilização
ao telefone

O dia dessa sexta-feira de há 44 anos foi véspera de feriado e serviço (meu) no CIOE, pelo que, quanto a fim de semana por casa, foi de vela...
A boa notícia - vejam lá bem este paradoxo; uma boa notícia a confirmação de se ir para a guerra!!!... - não podia deixar de ser comunicada à família mais próxima e, daí, a minha deslocação à estação dos Correios de Lamego e, de lá, telefonar para a vizinha Celeste Tavares com o recado para minha mãe.
«Já não vens a casa?», perguntou-me a Cinda, a filha, que faleceu em Julho de 2016. «Vais directo para lá?»
Claro que não, não ia logo para Angola e ainda diversos fins de semana passaria em casa, até à partida para Angola, a 29 de Maio de 1974. Com uma revolução pelo meio. O 25 de Abril!!!
Luís Filipe Alves

Alves, de Aldeia Viçosa,
65 anos em Covilhã !

O 1º. cabo Alves, atirador de Cavalaria e Cavaleiro do Norte  da 2ª. CCAV. 8423, a de Aldeia Viçosa, comemora 65 anos a 8 de Dezembro de 2017.
Luís Filipe Pereira Alves era então residente, quando mobiliza-
do, na freguesia de Barco, no município da Covilhã, e lá voltou a 10 de Setem-
bro de 1975 - no final da sua jornada angolana. E lá vive ainda, agora na Estrada Municipal da Coutada. Para lá, e para ele, vai o nosso abraço de parabéns!