sábado, 23 de janeiro de 2016

3 284 - Cavaleiros em Aldeia Vicosa e inspecção ao BCAV. 8423

O capitão miliciano José Manuel Cruz, comandante da 2ª. CCAV. 8423, a 
de Aldeia Viçosa, e a esposa, o comandante Almeida e Brito e o capitão SGE José 
Paulo Falcão (oficial adjunto e de operações), no 1º. encontro dos Cavaleiros 
do Norte,a  9 de Setembro de 1995, em Águeda

Cavaleiros do Norte de Aldeia Viçosa: furriéis
Guedes, Gomes, Martins (de bigode), Letras e
Jesuíno.À frente, de ambos de cigarro na boca,
Sebastião e Oliveira (cozinheiro)



O comandante Almeida e Brito esteve em Aldeia Viçosa, a 23 de Janeiro de  1975, acompanhado pelo capitão José Paulo Falcão (o oficial adjunto e de operações) para «estabelecimento de contactos operacionais» com a 2ª. CCAV. 84233 - aquartelada naquela vila e comandada pelo capitão miliciano José Manuel Cruz.
Ao tempo, murmurava-se cada vez mais a possibilidade de mais uma rotação dos Cavaleiros do Norte. Tal, era resultado das negociações da Cimeira do Alvor, sobre a independência de Angola, e não surpreenderia que a visita do (então) tenente-coronel Almeida e Brito se enquadrasse nesse âmbito.
Agostinho Neto, em Lisboa e na Associação Portuguesa de Escritores, disse «ser necessário que os povo de Angola e de Portugal se unam, porque unidos haveremos de trilhar o com caminho da liberdade, obstando a que se reinstale qualquer outro poder neocolonialista»
«Um recuo para Portugal será um recuo para Angola e um  recuo em Angola será um recuo para Portugal», afirmou Agostinho Neto, frisando também crer que «depois da independência vai haver mais negros em Portugal e mais bancos em Angola».~
Um ano antes, precisamente - dia 23 de Janeiro de 1974 - o BCAV. 8423 foi alvo de «inspecção normal de uma Escola de Recrutas», que esteve a cargo do coronel Magalhães Corrêa, da DAC 


Sem comentários:

Enviar um comentário