domingo, 25 de outubro de 2015

3 294 - Mudanças nos Cavaleiros e independência a 16 dias

Grupo de Cavaleiros do Norte de Aldeia Viçosa. A foto é do Aniano Tomás 
(o quarto, do lado direito), que não se lembra dos nomes dos
 outros  companheiros. Alguém poderá ajudar a identificá-los? 


Foto da 1ª. página do Diário de Lisboa de 25
de Outubro de 1975. Acompanhava o texto
 do título reproduzido abaixo

 



Há precisamente 41 anos, dia 25 de Outubro de 1974, o que faziam os Cavaleiros do Norte na sua jornada africana do Uíge angolano? Expectavam!!! Expectavam sobre «a anunciada remodelação do dispositivo», como se lê no Livro da Unidade.
A CCAÇ. 209, a da Fazenda Liberato, e a CCAÇ. 4155, a de Vista Alegre, já se sabia,  «abandonam o subsector». A primeira para a sua sede, o RI 21, de Nova Lisboa. A segunda, para o Sector de Luanda. Quanto aos Cavaleiros do Norte, afinal, iram continuar pelo chão uíjano - embora com duas alterações: a 1ª. CCAV. 8423 iria de Zalala para Vista Alegre e a 3ª. CCAV. 8423 da Fazenda Santa Isabel para o Quitexe, sede do Batalhão. 
Enquanto isso, em Lisboa, simpatizantes do MPLA agrupados na Casa de Angola anunciaram a realização de um comício de apoio àqueles movimento de libertação, a 29 de Outubro, no pavilhão dos Desportos e intitulando o movimento de Agostinho Neto como «vanguarda» do povo angolano.
Título do Diário de Lisboa de há 40
anos, dia 25 de Outubro de 1975, Faltavam
apenas 16 dias para a independência 
Um ano depois e a 16 dias da independência, o MPLA anunciou «uma grande ofensiva contra as posições dos mercenários, em Sá da Bandeira, depois de previamente evacuarem todos os civis», como relatava o Diário de Lisboa, em serviço especial do Diário de Luanda,
A chamadas «forças invasoras» tinham apoio da África do Sul, segundo o MPLA, e integravam «tropas regulares sul-africanas, forças mercenárias do traidor Daniel Chipenda, elementos do 5º. Comando do major Mike Hioare (conhecidas pelas atrocidades praticadas pelos seus mercenários no Congo, nos anos 60), alguns homens da FNLA e da UNITA» - cerca de 1000 combatentes. 
Em Cabinda, ainda segundo o DL, «as FAPLA  repeliram ontem mais uma força estrangeira, com mercenários zairenses, portugueses, sul-africanos, belgas e brasileiros». O ataque, segundo o Comandante Júlio Almeida (Juju), «teve lugar a partir do Zaire» - que este militar considerou «o país de Holden Roberto», o presidente da FNLA.
No Caxito, ainda segundo Juju, «tiveram lugar violentos combates, ma zona do Porto Quipiri», no dia 23. Acrescentou o comandante do MPLA que «os invasores tentaram progredir até Quifangondo, mas o fogo intenso da nossa artilharia obrigou-os ao recuo, tendo deixado no terreno uma auto-metralhadora e dois blindados equipados de canhão, que foram destruídos».
Notícias do norte, das terras do Uíge por onde tinham jornadeado os Cavaleiros do Norte, é que não havia. 

2 comentários:

  1. Diz Aniano Mesquita Tomaz: o segundo do lado esquerdo é
    o BRITES da cantina, de GONDOMAR

    ResponderEliminar
  2. Aniano Mesquita Tomaz o quarto do lado direito
    Gosto · Responder · 5 h
    Aniano Mesquita Tomaz
    Aniano Mesquita Tomaz o segundo do lado esquerdo e o BRITES da cantina de GONDOMAR
    Gosto · Responder · 4 h
    Joaquim Guedes Cardoso
    Joaquim Guedes Cardoso
    Gosto · Responder · 4 h
    Carlos Letras
    Carlos Letras O segundo do lado drt. parece o furriel Martins, será?
    Gosto · Responder · 4 h
    Antonio Artur Guedes
    Antonio Artur Guedes Letras, é o Jordão.
    Gosto · Responder · 3 min
    Antonio Artur Guedes
    Antonio Artur Guedes O 1º da direita, será o Reis.
    Gosto · Responder · Agora mesmo

    ResponderEliminar