terça-feira, 11 de julho de 2017

3 820 - Mortos em incidentes em Luanda e encontro de Uígenses na Bairrada!

Os furriéis milicianos Viegas e Cândido Pires, o sapador, que amanhã 
faz 65 anos em Niza. A 25 de Outubro de 1974, na sanzala Talambanza, 
na Estrada do Café, à saída do Quitexe para Carmona

Os uígenses vão encontrar-se a 30 de Julho de 2017, no
parque de merendas de Mogofores (Anadia) e com  pre-
sença de D. Francisco Mata Mourisca - foto KimBelfoto
O assassínio de um motorista de táxi em Luanda, na noite de 10 para 11 de Julho de 1974 e no Cazenga, despoletou aqueles que podem ser considerados os mais graves primeiros incidentes depois do 25 de Abril. «Provocou uma onde de indignação entre os profissionais da classe, extremistas brancos enfurecidos», noticiava o Diário de Lisboa, adiantando que «provocaram a morte de três pessoas, todos africanos 
Notícia do Diário de Lisboa de 12 de Julho
de 1974 sobre os incidentes de Luanda
africanos negros, e 27 feridos, 12 dos quais em estado grave». A manhã de 11 de Julho foi tempo para os motoristas e comerciantes brancos dos musseques protestarem junto ao Palácio do Governador e do Comando-Chefe, e «exigindo a sua protecção», que lhes foi garantida em comunicado do Secretário de Estado do Trabalho.
Entretanto, taxistas e camionistas dirigiram-se à Emissora Oficial e Emissora Católica «com o intuito confessado de se manifestarem contra a  conduta de dois conhecidos locutores, ambos angolanos» - Norberto de Castro e Sebastião Coelho - acusando-os de «incitarem a população negra contra a população branca», o que, do ponto de vista do Diário de Lisboa, que citamos, «não tinha qualquer fundamento».
Exaltados, alguns deles invadiram os estúdios e tentaram localizar Sebastião Coelho, mas este já tinha fugido com outros colaboradores da estação - a Católica. Mais ou menos ao mesmo tempo, uma centena de outros populares dirigiu-se à Emissora Oficial e procuraram Noberto Castro, mas disso foram dissuadidos. Já á noite e no Cazenga, uns 30 a 40 brancos «armados de cacetes e punhais» concentraram-se no local onde foi assassinado o taxista - mandando parar todas viaturas que transportassem pessoas de cor. Amassavam as viaturas com os cacetes (destruíram 6) e ameaçavam as pessoas. As que conseguiam fugir «eram perseguidas a tiro de pistola».
A intervenção da polícia e do Exército fez desfazer a concentração, mas soube-se que outra surgiu no bairro da Cuca, com, referia o DL, «o intuito declarado de fazer justiça pela próprias mãos». Foi nesta zona que se registou o maior número de vítimas e onde «extremistas brancos, enlouquecidos, atacaram um autocarro, ferindo os passageiros e provocando o pânico». Usaram cacetes, pistolas, caçadeiras e granadas.
D. Francisco da Mata
Mourisca, Bispo Emé-
rito do Uíge

Encontro de uígenses
em Mogofores (Anadia) 

O encontro anual dos uígenses está marcado ara 30 de Julho de 2017, no parque de merendas de Mogofores - concelho de Anadia. Terá a presença de D. Francisco Mata Mourisca, que era o Bispo de Carmona no tempo dos Cavaleiros do Norte. 
José Moreira dos Santos é o seu nome de baptismo e é natural de Mata Mourisca, freguesia de Pombal, onde nasceu a 12 de Outubro de 1928. Foi ordenado sacerdote a 20 de Janeiro de 1952, na Ordem dos Fra-
des Menores Capuchinhos, no Porto, e formou-se em Teologia na Universidade de Salamanca, em Espanha (1957). Exerceu vários cargos de responsabilidade, entre os quais o de Ministro provincial dos Capuchinhos em Portugal.
D. Francisco da Mata Mourisca, seu nome religioso, foi o primeiro Bispo da Diocese - entre 14 de Março de 1967 (quando foi nomeado pelo Papa Paulo VI, chegando a Carmona a 30 de Julho do mesmo ano) e 2008, ano em que resignou, passando a Bispo Emérito do Uíge.
Mogofores pertence ao município de Anadia, em plena Bairrada, e, por curio-
sidade, é a terra de nascimento de Toni (treinador e antigo futebolista interna-
cional do Benfica e da selecção nacional) e de residência do cantor José Cid.
Os interessados em participar no Encontro podem contactar a Associaçºao dos Amigoas do Uíge, na Calçada de Santo André, 31 | 1100-495 Lisboa, pelo telefone e fax 21 888 39 83, email geral@associacaodosamigosdouige.pt, ou ainda no site oficial - em  www.associacaodosamigosdouige.pt.
Furriel Cândido
Pires em 1974/75

Furriel Pires, sapador,
65 anos em Niza!

O furriel miliciano sapador Pires, Cavaleiro do Norte da CCS do BCAV. 8423, festeja 65 anos a 12 de Julho de 2017.
Cândido Eduardo Lopes Pires era, ao tempo de 1974/75, mora-
dor na Rua de Cabo Verde, no Montijo, e lá voltou a 8 de Setem-
bro de 1975 - no final da comissão em Angola, pelas uíjanas terras do Quitexe de Carmona. Por lá fez vida e constituiu família mas desde há vários anos que reside na vila de Niza, onde é funcionário camarário.
Participou no encontro de 3 de Junho de 2017, no RC4, e para Niza vai, em-

brulhado em quitexanos afectos, o nosso abraço de parabéns!

Sem comentários:

Enviar um comentário