quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

3 667 - Jornal do BCAV. 8423 em Angola e eleições em Portugal

Cavaleiros do Norte no refeitório. À direita e de frente, o Gaiteiro (que amanhã faz 65 anos), seguido do
 Serra, Malheiro (boina no ombro), Aurélio (Barbeiro), Serra Mendes (de óculos) e... Na segunda fila,
 Monteiro (Gasolinas, de bigode), Cabrita, Calçada, Coelho (sapador), NN e NN (de costas) e Florêncio
 (de bigode) e... Alguém ajuda a identificar os outros companheiros)

O atirador Alberto Ferreira e o 1º. cabo Rodolfo Tomás
(rádio-montador), o homem do correio de Carmona 

A edição de um jornal de parede foi uma das iniciativas do oficial de acção psicológica do Batalhão de Cavalaria 8423, pelo tempo de Fevereiro de 1975. «Teve a melhor adesão dos militares, seus únicos colaboradores, e a maior aceitação por sua parte», refere o Livro da Unidade.
Ao tempo e por razão da saída do alferes José Leonel Hermida, era o alferes António Manuel Garcia o responsável pela acção psicológica.
Jornal do BCAV. 8423
O tempo passa, já lá vão 42 anos!!!..., mas embora não sendo referida no documento de memória do BCAV. 8423, lembramos-nos da criação, por essa altura quitexana, de um pequeno estúdio fotográfico - no qual muitas fotos de militares foram reveladas (e, porventura, outras tantas estragadas). Não estamos certos, mas parece-nos que ficava nas traseiras da enfermaria. Muito provavelmente, a foto de abertura deste post foi lá revelada.
O jornal de parede do BCAV. 8423 incluía variada colaboração em prosa e verso, versando naturalmente questões relacionadas com a vida quotidiana do Batalhão. Apenas dispomos de um exemplar, o da comemoração do 1º. aniversário (que foi único) da chegada a Angola - cuja 1ª. página reproduzimos, aqui ao lado.


Carnaval no Quitexe 
e eleições em Portugal

O dia 9 de Fevereiro de 1975, há precisamente 42 anos, foi domingo de Carnaval, que pelo Quitexe pouco vimos, a não ser alguns sons que nos chegavam das sanzalas vizinhas: o Cazenza, Aldeia, Talambanza, as mais próximas. Mas sem curiosidade especial de nossa parte (o que já não aconteceria no dia 11, o dia de 3ª.-feira carnavalesca, dois dias depois, quando o PELREC regressava de uma escolta.
O domingo era mesmo domingo, para quem não estivesse de serviço, até se vestia a farda nº. 2 (a de saída e de festa), os mais crentes iam à missa do Padre Capela (na Igreja da Santa Mãe de Deus) e os mas abonados até dispensavam o rancho para irem almoçar ao Pacheco, ao Rocha ou ao Topete - restaurante da vila quitexana.
Era dia de correio, que chegava de Carmona ao fim da tarde, normalmente pelas mãos do 1º. cabo Rodolfo Tomás, e nesse dia chegaram notícias das eleições que se iriam realizar em Portugal. As primeiras, depois do 25 de Abril.
Partidos de há 42 anos, nas pri.
meiras eleições pós-25 de Abril
As eleições era um dos «pratos fortes» das vastas e fartas tertúlias da messe de sargentos (e noutros locais da guarnição, certamente), nalguns casos com posições muito extremadas, abundantemente discutidas e divididas entre as ideias que hoje se chamariam de direita e de esquerda, sem que na altura as identificássemos com a mínima clareza. 
O que eram PS, PCP, PPD (agora PSD) ou CDS para os militares da guarnição quitexana? Ou os já desaparecidos PDC, FSP, PCPT/MRPP, MDP/CDE ou MES, FEC/ML, LCI, UDP e AOC? Ou o PPM? 
Alguns deles nem chegariam ao acto eleitoral de 25 de Abril (só os da imagem) e, para a maioria de nós, pouco diziam e menos importavam. O que nos importava era a data de regresso a Portugal. 
Fazendo memória desse tempo de há 42 anos, recordamos os partidos que por essa altura se apresentavam a eleições:
- PS: Partido Socialista.
- PCP: Partido Comunista Português. 
- PPD: Partido Popular Democrático (actual PSD). 
- CDS: Centro Democrático Social. 
- PDC: Partido Democrata Cristão. 
- FSP: Frente Socialista Popular. 
- PCTP/MRPP: Partido Comunista dos Trabalhadores de Portugal/Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado. 
- MDP/CDE: Movimento Democrático Português/Comissão Democrática Eleitoral. 
- MES: Movimento da Esquerda Socialista. 
- FEC/ML: Frente Eleitoral de Comunistas (Marxistas-Leninistas). 
- LCI: Liga Comunista Internacionalista. 
- UDP: União Democrática Popular.
- AOC. Aliança Operária Camponesa. 
- PPM: Partido Popular Monárquico.
O que é que nos diziam estes partidos todos? Nada. Ou muito pouco. O nosso ponto de interesse estava centrado no regresso a Portugal, o que só viria a acontecer em Setembro desse ano de 1975.
O Gaiteiro em 74/75,
em cima, e actualmen-
te (em baixo)

Gaiteiro e Verde,
65 anos de vida!

O 10 de Fevereiro de 1975 foi dia dos então muito celebrados e viçosos 23 anos de dois Cavaleiros do Norte do BCAV. 8423: o condutor Gaiteiro e o atirador de Cavalaria Verde. A brincar, a brincar, já lá vão 42 anos!

Américo Manuel da Costa Nunes Gaiteiro, da CCS (a do Quite-
xe), é natural de Perafita, em Matosinhos, e lá regressou a 8 de Setembro de 1975. Trabalhou na PETROGAL (em Matosinhos) e está aposentado, tratando-se de doenças da idade (a «nos-
sa» amiga próstata e a indispensável bexiga...) - que lhe tem dado algumas preocupações, mas não lhe tiraram a irreverên-
cia e a boa disposição. Faz regulares revisões médicas e diz ele que «está tudo sem problemas...». Mora em Rio Tinto.
O Verde em 2014
Joaquim Henrique Ferreira Pereira Verde, da 2ª. CCAV. 8423 (a de Aldeia Viçosa), é originário do Casal da Cortiça, na freguesia de Barreira, em Leiria. Atirador de Cavalaria, está agora aposentado, depois de uma longa carreira profissional na área da serração de mármores e mora no Vale Gracioso, em Azóia, também em Leiria. Está de boa saúde e... recomenda-se.
Amanhã, ambos - o Gaiteiro e o Verde!... -comemoram 65 anos! Para ambos vai o nosso abraço de parabéns!

Sem comentários:

Enviar um comentário